Sobre esse "UM" que não conseguimos ser

O mundo não está mais cauteloso e as pessoas estão menos zelosas.

Tudo parece acelerado, denso, pesado. Não corremos mais contra o tempo, também não vamos mais de encontro à ele: corremos atrás dele e parece que o estamos perdendo de vista… estamos perdendo nosso próprio tempo de vista...

No dia a dia, tudo foi ficando jump e fast. Frio. Engordurado. Feito aos lotes. Pior: não para todos mas sim para muitos ao mesmo tempo. Inespecífico, indistinto.

Precisamos voltar a nos sentir únicos, nos perceber próprios e cuidados. Olhados. Ouvidos. Vivemos encrespados por conta do medo de desaparecermos embrulhados nisso tudo que sequer reconhecemos. Muitas vezes, ainda tomados pelo medo, impotentes e ignorantes no exercício da individualidade, ao notarmos alguém distinto de nós, agimos com vileza e mesquinhez, na intenção de calar a esse "outro". Na verdade, tentamos castigar naquele "outro", nossa própria impossibilidade de exercer esse "um" que queríamos conseguir ser mas tememos não representá-lo bem.

É urgente suavizar. Retomar o valor e a atenção de um "EU" pronto para o mundo, mas novamente generoso no ato de Ser, Aceitar, Construir, Cuidar e principalmente: EXISTIR COMO ELE PRÓPRIO É.

Eu lhe convido para que hoje, por dez minutos (apenas dez minutos), você possa reconhecer e fazer algo bom pra você. Eu lhe convido para um pequeno gesto e não uma grande atitude ou mudança (como sua mente brilhante deve ter pensado e emendado num rol de impossibilidades). "Algo bom para você" precisa apenas ter o significado de algo único e

possível. Talvez um pequeno hábito esquecido, um silêncio merecido, uma olhada pela janela, um vazio na cabeça ou uma fruta fora da hora. Experimente.

Fatima Marques



RECEBA NOVIDADES DA CHAVE DA QUESTÃO

  • Facebook
  • Instagram

© 2019 by Fatima Marques / Todos os direitos reservados